RECOMEÇO - Famílias de área interferida pela Usina Hidrelétrica Sinop recebem nova moradia

19/12/2017

Além da nova casa, cada família poderá executar um projeto de geração de renda no valor de R$ 15 mil que será implementado pela Sinop Energia, Concessionária do Empreendimento

Famílias assentadas do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) 12 de Outubro, de Cláudia (MT), foram remanejadas para seus novos lares. Por meio do Programa de Remanejamento da População da Sinop Energia, Concessionária da Usina Hidrelétrica Sinop, 28 famílias foram realocadas, no fim de 2017, para o Reassentamento Rural Coletivo (RRC), localizado a margem direita do rio Teles Pires a cerca de 20 km de Sinop (MT), sentido Sorriso (MT). Essas famílias estão incluídas no Plano de Desenvolvimento do Assentamento (PDA) do PDS.

Cada família recebeu lotes com aproximadamente 20 hectares de área de cultivo e 20 hectares de área de reserva legal, em condomínio; além de uma casa de 63 m³, sendo dois modelos diferentes: um com dois quartos, sala, cozinha, banheiro social, lavanderia e varanda; e outro com três quartos, sendo uma suíte, sala, cozinha, banheiro social adaptado para portadores de necessidades especiais, lavanderia e varanda, conforme a escolha das famílias. Todos os lotes ainda dispõem de água, energia elétrica, acesso cascalhado e cercamento perimetral.

Para este recomeço, toda família reassentada também receberá um projeto de geração de renda no valor de R$ 15 mil de sua escolha; assistência técnica durante um ano, podendo prorrogar esse prazo por mais dois anos; e, neste ano, um projeto de geração de renda coletivo de R$ 250 mil, que terá destino conforme definição da comunidade.

Para o diretor de Meio Ambiente da Concessionária da Usina, a Sinop Energia, Ricardo Padilha, o remanejamento dessas famílias representa a conclusão de um trabalho que passou por diversas etapas. “Tudo dependeu não só do esforço da Sinop Energia, mas também de um entendimento com o Incra, afinal de contas essas famílias estavam em um projeto de assentamento, e nós, ao interferimos nessas áreas, precisaríamos ter um aval do Incra [Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária]. A mudança das famílias, para nós, é um marco muito importante, pois elas gostaram muito da nova área, é possível ver a satisfação dos moradores”, afirma, referindo-se ao fato de que algumas famílias já estão colhendo produção, como abóboras, e produzindo queijo.

O diretor presidente da Sinop Energia, Jean-Christophe Delvallet, ressaltou que o trabalho foi possível com a participação de todos os envolvidos. “Representa um dia muito importante e feliz, vai ser uma nova vida para as famílias e para nós é um sinal da nossa responsabilidade. Este foi um trabalho interativo, que passou pelas famílias que escolheram juntas a disposição das casas. A política da Sinop Energia é simples: dizer claramente tudo que vamos fazer, e fazer de maneira certa tudo que dizemos!”.

Segundo o presidente da Associação São Judas Tadeu, Hélio Vitorino, a ida para o novo lar representa o recomeço de uma vida. “Tudo isso é um trabalho feito com bastante honestidade. Eu acredito que nós estamos vindo para melhor. Estamos saindo de algo que já ficou para trás, eu penso que aqui é nosso novo começo”.

Previsto no Projeto Básico Ambiental (PBA) do Empreendimento, o Programa de Remanejamento da População tem como objetivo principal oferecer aos proprietários de terras interferidas pelas obras da Usina o acesso a áreas que permitam condições de vida iguais ou melhores às verificadas antes de iniciar as obras.

Distante 70 quilômetros (km) da cidade de Sinop com acesso pela BR-163 e estradas vicinais, a Usina Hidrelétrica Sinop está sendo construída no rio Teles Pires, sendo a barragem situada nos municípios de Cláudia (margem direita do rio) e Itaúba (margem esquerda). O reservatório abrangerá os municípios de Cláudia, Itaúba, Ipiranga do Norte, Sinop e Sorriso. Com investimentos de cerca de R$ 3,2 bilhões, este projeto caracteriza-se pela disposição de uma Casa de Força com duas turbinas/geradores com potência instalada de 408 megawatts (MW). O reservatório a ser formado terá área de inundação de 342 quilômetros quadrados (km²) e seu enchimento deve iniciar em setembro. A geração de energia elétrica está prevista para iniciar em dezembro de 2018 e poderá atender o consumo de 1,6 milhão de pessoas, equivalente a 50% da população do Estado do Mato Grosso.

 

Olá Eu sou a joana!

Tem alguma dúvida? Clique aqui!

joana maior